Sexta-feira, 30 de julho de 2021

Às vezes, as coisas dão errado, não é mesmo? Acho que este virou um blog de autocomiseração. E por que não? Tudo é chato, tudo é irritante, tudo é triste.

As pessoas me incomodam, elas são a pior parte. Gente velha é defasada e desconectada do mundo atual, gente nova é burra e inexperiente – ambos são arrogantes. Pessoas também são cruéis, além de simplesmente irritantes, crueldades pequenas diárias até aquelas grotescas que te dão náusea. Hoje, antes do café da manhã, eu vi uma notícia sobre como um homem, o chefe da NRA (Associação Nacional de Rifles, organização estadunidense que advoga por… bem, já dá para imaginar pelo quê), e sua esposa, enviaram de Botswana para os Estados Unidos “troféus” oriundos da caçada de um elefante. É possível ver a imagens do casal cortando a tromba do elefante morto, e da mulher segurando-a no alto, com um sorriso no rosto. Os pés do elefante também foram cortados e, então, enviados a um taxidermista.

Pessoas são uma droga. Eu também sou, afinal, sou pessoa. Seria melhor para o mundo se a gente morresse. Espero que isso aconteça um dia.

Não vou revisar esse texto, ele está uma merda mesmo.

Terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Eu estou em um estado além da infelicidade. A tristeza que sinto é permanente, mesmo que, com muito esforço, eu consiga mandá-la embora por alguns meses, ela vai voltar. Tem sido assim pela última década e vai ser assim pelo resto da minha vida, esse vai e vem, alternando entre situações totalmente infernais e as mal apenas suportáveis.
Além da tristeza, também sinto muito ódio. Odeio todo o planeta – com exceção da minha gata – e odeio a mim mesma. De tempos em tempos tenho vontade de morrer. Minha gatinha querida vai ficar bem sem mim, eu sei disso.
Às vezes, penso nos livros e eles me animam um pouco: “posso continuar viva para passar o meu tempo lendo, isso seria até que ok”. Mas estou cansada demais para isso. Não tenho energia suficiente para tirar um livro da prateleira, me concentrar nas páginas, ler linha atrás de linha, procurar palavras no dicionário e nem mesmo para passar muito tempo sentada. Se pudesse, dormiria indefinidamente: uma noite sem sonhos.